Studio Made in PB Entrevista: Joe Bennet. Artista fala sobre os “TEAM BOYS” projeto da NES Editora para o mercado nacional.

Januncio Neto

Januncio Neto

Joe Bennett é atualmente artista da Marvel Comics e em breve estará assumindo o título do Homem de Ferro a partir da edição #18, porém suas atividades no mercado norte-americano não o impedem e desbravar novos horizontes aqui no Brasil. Ele é o desenhista de uma série de HQs que será publicada pela NES Editora, os Team Boys, uma criação de Noroel Souza que originalmente foi criada para o publico infantil e agora se torna um projeto voltado para um público infanto juvenil.

Numa entrevista para o blog do Studio Made in PB, Joe fala sobre suas influências e expectativas em relação ao projeto e responde uma perturbadora pergunta.

É possível fazer Super-Heróis brasileiros serem levados à sério?

 

TEASER - Joe Bennett

 

Januncio Neto – Como começou o projeto?

Joe Bennett – O Noroel Souza presidente e editor da NES Editora me convidou para fazer uma versão teen dos personagens dele, eu vi os personagens originais os Team Kids e vi que poderia ser algo bem maior que uma fase teen. Vislumbrei os Teen Titans da boa fase do WolfmanPerez , vi que poderia colocar pra fora um antigo sonho de fazer HQ para o Barsil de maneira relevante e profissional.

 

JN – Os primeiro s desenhos demonstram uma abordagem mais dinâmica, você esta tendo os Teen Titãs dos anos 80 como inspiração. O que podemos esperar destas novas aventuras?

JB – Exato! Os Teen Titans dos anos 80, eu quero fazer algo com os olhos naquilo porem, colocando em relevância os nossos temas e questões da nossa sociedade. Drogas, meio ambiente/ecologia, violência urbana, corrupção generalizada entre outros. Sem maniqueísmos, mesmo sendo este um projeto no gênero Super-Herói.

 

JN – Quais serão os novos desafios dos Team Boys e o que aconteceu durante a transição da fase original e a nova fase?

JB – Pra começar eles não são mais os Team Kids, agora são os TEAM BOYS (TB) e vamos abordar como é ser poderoso quando criança e crescer sabendo disso. E como isso é que acontece aqui no Brasil?

Eles também acham que são os únicos, sem igual, mas vão descobrindo que não são. Existem outros aqui e lá fora também e que todos estão ligados por uma trama muito maior e no meio disso os TB ainda tem que aprender a serem heróis de verdade.

Mas nem tudo são flores, agora é pra valer e cada ação resulta numa reação seja ela boa ou má, eles terão que lidar com as consequências de seus atos.

 

JN – Durante um bom tempo o gênero “Super-Herói” foi mal desenvolvido, aproveitado e até posso dizer que até ridicularizado no Brasil, quando falamos em produções nacionais. Você acredita que atualmente o publico já tem uma maturidade suficiente para uma produção nacional no gênero?

JB – Acho que dizer que o Brasil não funciona no gênero Super-Herói é bobagem! Afinal se fosse assim que gênero deveríamos adotar?

Terror? Este os ingleses e americanos fazem com maestria. Western? Os italianos fazem melhor ate que os americanos (ai já estaria a resposta. Pois tudo que é bem feito dá certo), aqui esse gênero não vingou pois faltou uma pitada de coerência realística.

Há 23 anos dois garotos conseguiram fazer isso, criaram uma HQ de Super-Herói ambientada no Brasil e que é considerada por muitos um bom exemplo de como produzir Super-Heróis aqui.

Era a INSOLITA FAMILIA TITÃ, obra minha e do Gian Danton é isso que eu quero levar para os TB, a mesma coerência realista que desenvolvemos há 23 anos atrás.

 

TEASER - TEAM BOYS 01

 

JN – Hoje temos mais artistas produzindo material autoral, publicações independentes de qualidade e algumas editoras que tem interesse real no mercado. Chegou o momento de finalmente o Brasil se tornar um país produtor de HQs e não apenas consumidor do que vem de fora?

JB – Acho que isso ate que esta demorando demais, as tentativas anteriores serviram pelo menos para formar uma geração toda, eu o Deo (Mike Deodato) o Luke (Luke Ross) o Klebs (Klebs Junior) e muitos outros.

Com tanta gente boa aqui, só faltava um editor com culhoes para fazer a coisa acontecer e esta coragem foi o que me motivou a aceitar o convite do Noroel para fazer este projeto.

 

JN – Ultimamente a Marvel e a DC tem tomado decisões que vem desagradando os fãs, reformulações desnecessárias e uma aparente busca por polêmicas. Tean Boys pode trazer os bons tempos de volta e ainda inovar no gênero?

JB – É esse o mote que queremos pegar, produzir um material de qualidade para os órfãos de uma era que deixou saudade e que se foi, e ainda pode ter relevância se for bem apresentada a uma nova geração.

Queremos pegar os leitores antigos e os novos, todos de uma forma geral.

 

JN – Qual a programação de edições de Tean Boys? Você tem alguma ideia de como o público terá acesso ao material?

JB – Começaremos com um arco de 6 partes, a ideia é levar ás bancas e também para outras plataformas, estamos estudando as possibilidades.

 

Team Boys 05

TEAM BOYS: Mel, Rafa e Dudu, agora são os heróis Máxima, Power Boy e Quick Boy! 

 

JN – Tem algo que você pode adiantar algo da trama principal, que não estrague a surpresa do leitor?

JB – Sim! Os TB virão á Amazônia, aqui eles terão que lidar com os temas que afligem a região, desmatamento, ataques ao meio ambiente, a questão agrária entre outros problemas.  Isso tudo ainda sob o aspecto de aqui descobrirem outros seres como eles, heróis da Amazônia.

 

JN – Podemos dizer que este é apenas começo? Teremos você envolvido em mais produções nacionais no futuro?

JB – Espero que este seja o começo da NES Editora como divisora de águas. Que possamos mostrar que gênero bom é gênero bem feito, levado á seriedade e profissionalismo.

 

JN – Obrigado Joe, só podemos desejar sucesso no projeto e aguardar para adquirir os exemplares de TEAN BOYS!

JB – Estamos dando tudo de nos no projeto, eu o Ruy Jose e o Noroel, queremos fazer algo memorável, isto tudo é apenas o começo pessoal!

 

Você pode ter mais informações sobre o projeto Team Boys acessando o blog ZINE BRASIL.

 

 

TEAM BOYS Image Gallery