Cartunistas Franceses são vitimas de atentado terrorista

Blog Teaser - Charlie Hebdo

 

Esta manhã, em Paris, dois desconhecidos armados vestidos com roupas jihadista atacaram os escritórios do revista Charlie Hebdo, ambos invadiram a redação da revista a tiros de rifles de assalto e carregando um lançador de foguetes. Os homens armados, em seguida, fugiram do local, gritando “Allahu Akbar”.

12 pessoas foram mortas, incluindo o editor da revista, Charb, também conhecido como Stephane Charbonnier, os lendários cartunistas Cabu, Tignous e Georges Wolinski, outros jornalistas da revista e dois policiais, um dos quais foi baleado na cabeça no momento da fuga dos terroristas. Outras sete pessoas foram feridas.

Charlie Hebdo seria uma publicação semelhante a extinta revista “Bundas” e o jornal “O Pasquin”, uma publicação com HQs, charges, tirinhas e artigos satirizando e criticando vários segmentos da sociedade e cultura. Anarquista, a publicação se concentra em atacar partidos de extrema direita, também abordando o extremismo religioso, seja cristão, judeu ou muçulmano. Nos últimos anos, a revista publicou uma biografia caricatura de Maomé.

 

Charlie Hebdo Attacked 01

 

O atentado foi classificado como um ataque terrorista islâmico, com homens armados chamando os jornalista pelo nome antes de abrir fogo. Esta não é a primeira vez que a Charlie Hebdo sofre um atentado,  a revista já tinha sofrido um ataque a bomba, mas sem vítimas mortais.

O presidente francês François Hollande definiu o ataque terrorista como uma “barbárie”, o nível de segurança nacional foi elevado enquanto a polícia tenta capturar os assassinos. Este é o maior ataque terrorista da França até hoje. Todas as redações de jornais e revistas francesas estão em alerta.

Até o momento os terroristas não foram capturados, mas estão surgindo relatos de tiroteios do confronto entre a polícia e os terroristas em vários pontos de Paris.

 

FONTE: Bleeding Cool