Batgirl #41: “A capa que nos cobre”, por Jean Sinclair

 

NEO Blog Teaser - Batgirl #41 01

 

Olha…tenho visto e lido muita coisa sobre a capa alternativa pra Batgirl #41.

Vejamos…

Sim…a capa não tem relação nenhuma com a atual Batgirl,que é mais voltada pra um publico feminino moderno,mas tem relação com o mês que a DC escolheu pra homenagear o Coringa (uma ideia que não gostei),e assim buscava outro publico,celebrando não a Batgirl, mas sim o Coringa e nisso a arte é impecável.

Sim…é capa variante…com um “ratio” 1:1 , ou seja, pra uma capa normal, haverá disponível 1 capa variante pros pedidos das comic shops americanas (algo raro no mercado,que geralmente usa 1:10 ou 1:25), ficando a responsabilidade de sua ida ou não pro mercado nas mãos dos pedidos feitos pelos donos de comic shops americanas.

Sim…as expressões de descontentamento vindo de grupos descontentes com a arte são válidos, necessários até. Hoje o mercado ganha á cada dia mais títulos muito bem-vindos ao mainstream como Ms. Marvel, Thor, Viúva Negra e a própria Batgirl é um colírio pro mercado.

Porém, o meu maior incômodo e justamente onde o maior problema dessa situação está foi o uso dessa expressão aqui: #‎ChangeTheCover‬

Sim…pra mim, isso categoriza CENSURA!

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

Às vezes não intencional e às vezes marotamente velada,mas sim…pra mim é CENSURA e o menor indicio dela já me deixa muito nervoso e irritado e ver isso vindo de grupos que lutam por igualdade me entristece e me deixa tão puto quanto ver nerds tetudos e machistas dizendo que a Mulher Maravilha é uma personagem rasa ou até mesmo ficarem de mimimi com a Batwoman ou o casal Wiccano/Hulkiling.

Sim…o artista decidiu retirar a capa e respeito isso,pois ele exerceu sua liberdade de escolha,mas digo que eu não retiraria a capa.

Sim…A DC falhou ao deixar claro que marketing e editoral estão fora de sintonia e que sim, poderiam ter barrado essa capa ainda nos layouts, por que como profissional eu sei que essa não foi a única ideia proposta e que optou por essa arte por que a viram, como citei acima, uma opção coerente com o mês do Coringa.

Acima de tudo, Pra mim o ideal e o que defendo: Não gostou? se expresse,não compre, não divulgue,mas jamais diga que não pode existir.

Eu defendo a liberdade da arte e as consequências que ela trás, que ela agradando ou não,ela deva existir, seja com uma capa pesada como essa e com a existência muito acertada e precisa de mais títulos femininos e a mínima menção das obras serem extirpadas, canceladas ou caçadas com tochas e garfos já me deixará muuuito puto e temeroso, pois da mesma forma que é necessária boa parcela dos fanboys enxergaram quando estão exagerando, é necessário as minorias verem quando também passam do ponto.

Pra fechar, dois textos bem embasados sobre o assunto,abordando ambos os lados: Colant Sem DecoteInfinite Comix

 

Fiquem à vontade pra comentar. Gostaria muito de ler mais opiniões sobre o tema pois acho esse diálogo essencial.

 

*Jean Sinclair é natural de Fortaleza (CE), desenhista de quadrinhos,ilustrador e fã de todos os tipos de quadrinhos.