Studio Made in PB Entrevista: Anthony Misiano

Januncio Neto

Januncio Neto

Provavelmente muitos de vocês não tenham ideia de quem seja Anthony Misiano. Provavelmente perguntas como: Quem? Como? Quando? Sejam as primeiras a surgir em sua cabeça, ao ouvir seu nome pela primeira vez.

Mas se você é fã do Batman, gosta ou pratica cosplay provavelmente já deve ter visto o nome dele no Facebook ou pelo menos o nome que ele adotou na rede social, onde Anthony é mais conhecido como “Harley’s Joker”. Pronto, agora você deve estar pensando: “Nossa é aquele cara que faz o melhor cosplay do Coringa que eu já vi!”.

 

Sim! Isso mesmo e vocês irão conferir uma entrevista exclusiva que Anthony concedeu para o blog do Studio Made in PB, onde ele fala de seus projetos e um pouco sobre como ele se tornou “O Coringa”!

Então vamos por um sorriso nesse rosto e conferir a entrevista pessoal!😉

 

Entrevistas - Anthony Misiano 01

 

 

Januncio Neto: De onde veio à ideia de fazer o Cosplay do Coringa? Alguém comentou a respeito ou você simplesmente um dia se olhou no espelho e disse “Nossa que sorriso charmoso você tem”!

Anthony Misiano: Sempre fui fã do Batman. E eu não cresci um cara alto, forte, de queixo largo, então como um cara esguio e com o rosto bastante expressivo, o Joker pareceu se encaixar muito bem.

 

JN: Qual foi o primeiro evento que você participou fantasiado, você consegue lembrar-se da reação da primeira pessoa que viu você como O Coringa?

AM: Vesti minha roupa do Joker pela primeira vez numa festa de Halloween num bar local. Meus amigos bêbados ficaram bem impressionados, haha.

 

JN: Você consegue imaginar o quanto esse seu trabalho impressiona as pessoas? É algo que você consegue sentir do publico?

AM: É algo que se possa sentir neles? Sou um fã de arte em muitas formas. Há momentos todos os dias em que sou inspirado por uma peça de arte, seja uma pintura, uma música ou uma brilhante fotografia. Se pessoas que são fãs de fantasias são inspiradas pelo que eu faço, estarei além de lisonjeado, eternamente grato.

 

JN: Quanto tempo levou para produzir o visual do Coringa, quais versões do personagem fizeram parte da pesquisa e do processo de criação?

AM: Passei boa parte de um ano trabalhando na roupa no meu tempo livre. Peguei mais inspiração da arte de Brian Bolland, Marshall Rogers, Alex Ross e Carlos D’Anda.

 

Entrevistas - Anthony Misiano 06

 

JN: Quais são os produtos que você utiliza em sua maquiagem, quais você recomenda para os cosplayers??

AM: Recomendo às pessoas interessadas em maquiagem a aprender a pintar e estudar arte. Maquiagem é uma pintura e seu rosto a tela. Experimente, brinque com ela, tente coisas novas e corra riscos criativos. Aprenda sobre anatomia facial assim como um artista faria e como usar esse conhecimento para avançar na criação do personagem. Você pode se transformar completamente com maquiagem quando é feita da forma correta e não tem a ver com produtos. Quando você vê uma pintura de Leonardo Da Vinci você diz pra você “se eu ao menos tivesse os mesmos pinceis e tintas eu poderia fazer isso”? Não. Ferramentas só são tão boas quanto a pessoa usando-as, então seja um expert.

 

JN: Essa é uma curiosidade pessoal, pode parecer uma pergunta boba, mas você trabalha muito com as expressões faciais e claro precisa sorrir bastante nos eventos. Você toma algum tipo de cuidado especial ou exercício para os músculos da face?

Pra melhorar a expressão facial, não, mas escovo os dentes todos os dias vigorosamente, haha.

 

JN: Agora você tem a sua Harley Quinn (Alyssa King) e consequentemente ela tem o seu “pudim”. Como foi o processo der criação da Arlequina e como é agora o trabalho ao lado dela?

AM: Alyssa e eu gastamos cerca de cinco meses no cosplay dela. E design foi escolhido bem rápido. Sabíamos o que queríamos e como queríamos que tudo ficasse. A dificuldade foi simplesmente COMO juntar as coisas. Um cosplay do Joker é relativamente fácil de pensar e construir – é apenas um terno. Harley, por outro lado, tem muitos detalhes únicos: o capuz com detalhes, o colarinho parecendo pétalas de flores, etc. Foi muito trabalho, mas no fim tivemos sorte de conseguir e sentir que ficamos completamente verdadeiros à visão que tínhamos quando começamos a criar.

 

Entrevistas - Anthony Misiano 07

 

JN: Ainda dentro do universo do Coringa, como vai indo o projeto “The Batman: Chronicles”?

AM: Filmamos em Junho em Nova York. O filme está sendo editado agora. Infelizmente eu não tenho participação  na pós produção, então não estou muito certo de como as coisas estão agora ou como estão sendo feitas, mas me disseram que estará pronto neste outono. 

*(The Batman: Chronicles é um Fan Movie onde Anthony faz o papel do Coringa, para saber mais a respeito acesse este LINK)

 

JN: Você é ator e diretor, qual a sua opinião sobre o atual momento das HQs no cinema?.

AM: Acho que é difícil atingir um equilíbrio entre agradar MUITO a audiência e dar a eles exatamente o que querem ou sair muito do curso e jogar muito do clássico dos quadrinhos pela janela. É preciso haver um bom equilíbrio desses dois para que possam criar e contar sua história, ao mesmo tempo, mantendo os fãs engajados.

 

JN: Você produz uma Web Serie chamada “Reel Butter” onde são realizados reviews de filmes entre outros assuntos, de onde surgiu a ideia de criar a série? E como Ryan Cerutti entrou no projeto?

AM: Na verdade “Reel Butter” foi uma ideia do Ryan Cerutti. Juntos nós montamos sua estrutura. É uma verdadeira explosão, muito legal de se trabalhar, é tão divertido! Acho que é um dos melhores shows no YouTube que ninguém está assistindo, haha.

 

JN: “Moonflower” é seu primeiro filme? Você escreveu, atuou e dirigiu o filme, o que você pode nos contar a respeito da historia e como nasceu a ideia do filme?

Na verdade, “Moonflower” é o sétimo filme que eu dirigi, décimo que produzi e um da dezena que atuei. De qualquer forma, é o primeiro que realmente teve notoriedade. A história do filme foi desenvolvida lentamente. Eu sabia que queria fazer algo muito diferente de qualquer coisa que eu já tinha feito antes, e eu sabia alguns dos temas visuais que eu queria trazer para cena, mas moldar a história ao redor disso levou alguns meses. Muitas ideias vieram em sessões de brainstorm com meus colaboradores na época, Ryan Cerutti e Taran Gray. Mesmo assim, no final, como escritor eu era o único a costurar na estrutura e colocar todas as cenas juntas.

 

 

JN: Na sua opinião qual a importância da internet e das redes sociais na produção de filmes independentes, sejam eles projetos autorais como “Moonflower” ou Fan-Movies baseados em HQs?

AM: Obviamente a internet mudou tudo a este respeito. Agora todos tem uma plataforma. Todos tem um podium para colocar sua ideia. É um mundo que apoia a criatividade. Acho que é muito bom. O único problema é a saturação de conteúdo, noventa e nove por cento do qual é um completo lixo, e eu acho que isso faz com que seja mais difícil se chegar ao topo.

 

JN: Para finalizar, gostaria de fazer a segunda pergunta que mais me pediram para fazer a você (a primeira foi “Anthony quer casar comigo?”). Quais as chances de você e seu companheiro risonho virem nos visitar aqui no Brasil?

AM: Eu nunca ganhei na loteria, mas ainda compro alguns bilhetes de vez em quando, então, algum dia!

 

Mais uma vez gostaria imensamente de agradecer pela oportunidade em nome de todos os membros do Studio Made in PB e aqueles que admiram o seu trabalho. Nosso muito obrigado!🙂

 

 

Entrevistas - Anthony Misiano 02

 

Agradecimentos especiais a Lídia Byanca pelo trabalho de tradução e a Mike Deodato Jr pela produção do Sketch Digital do Coringa como presente para o Anthony.

 

Esperamos que tenham gostado a entrevista pessoal, mas esta não será a ultima entrevista exclusiva do nosso blog com relação ao universo do Cavaleiro das Trevas. Aguardem novidades!